20.6 C
São Paulo
quinta-feira, fevereiro 25, 2021

Ser de Cristo e não compactuar com o demônio

A Liturgia deste 4º domingo do Tempo Comum nos coloca diante da inevitável escolha entre sermos por Deus ou contra Deus.

Redação (30/01/2021 15:02, Gaudium Press) O método de apostolado fundado por Santo Inácio de Loyola, dentre muitos modos de obrar, visou frisar a ideia de que todos os homens, desde Adão até o último que viver sobre esta terra, estarão lutando por escolher a cada instante da vida, em virtude do livre arbítrio, por Deus ou pelo demônio: trata-se da célebre meditação sobre as “duas bandeiras”, que nada mais é do que um deitar luz e realce àquela inspirada concepção agostiniana das “duas cidades”.

Com efeito, só são capazes de edificar a “cidade de Deus”, os que, dia a dia, constroem sobre os firmes alicerces da fé, unidos pelo amor de Deus e cimentados pela caridade ao próximo.

Neste 4º Domingo do Tempo Comum, cujo evangelho recolhido pela liturgia é o de São Marcos (1, 21-28), vê-se o embate paradigmático entre o Capitão do Bem, o Verbo Encarnado, e o caudilho do mal, o demônio.

Nosso Senhor Jesus Cristo, entrando na Sinagoga – corrompida e desvirtuada pelos próprios mestres da lei e escribas –, quer deixar claro seu senhorio, pois a função docente cabia somente àqueles formados em escolas rabínicas, quando havia uma transmissão de doutrinas herdadas por grandes mestres. Por outro lado, com Nosso Senhor isto não se aplicava, uma vez que o método de ensino divino, longe de estar fundado nos “célebres critérios próprios” dos rabinos, como vinha acontecendo desde muito entre aqueles mestres da lei e escribas, irrompe por sua originalidade, autenticidade e, acima de tudo, pelo exemplo, pois que tudo quanto pregava Cristo, via-se espelhado no seu “modo de ser”, razão pela qual “todos ficavam admirados com seu ensinamento” (cf. Mc 1, 22).

Aqueles judeus visitados por Jesus puderam comprovar que a sabedoria que dimanava de suas palavras, gestos e doutrinas eram “dotadas de potência”; por isso, como bem aponta certo autor, “descabida era a indagação sobre onde teria estudado a Sabedoria Eterna e Encarnada. Sendo a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, possuía, desde toda a eternidade, a ciência divina, bem como a ciência beatífica unida à ciência infusa, embora tivesse também a ciência natural”. [1]

No entanto, delatando o inequívoco contraste entre A virtude e a fealdade, o demônio, ao pretender atrapalhar e coibir o apostolado de Nosso Senhor, declara sua vulgaridade: grita! Estabelece-se para os circunstantes o embate entre as “duas bandeiras”. De um lado, A compostura, A virtude, A divindade; do outro, a brutalidade, o mal exemplo, o condenado por antonomásia.

Portanto, mais do que ensinar com suas palavras, Nosso Senhor ia instruindo pelo exemplo, a fim de que todos os espectadores tivessem a liberdade e a ventura de optar por um ou por outro. E neste sentido, São Francisco de Sales recorda que “não discuta com seu inimigo, nem lhe responda uma palavra sequer […]. Quando assaltada pela tentação, a alma devota não deve perder tempo em discussões nem argumentações”. [2] Jesus dá-nos também este ensino: mesmo sendo Deus encarnado, não pretende discutir com o demônio, é preciso intimá-lo: “cala-te e sai dele!” (cf. Mc 1, 25).

Ou seja, para seguir a Cristo, seu modo de ser e seus ensinamentos, não é possível haver conivência entre o bem e o mal, levando uma vida em que hora acendo uma vela para Deus, ora acendo outra para o demônio.

Por isso, a liturgia deste 4º domingo nos conclama à integridade. Optar por Cristo é intimar o demônio e lançá-lo para o buraco eterno que é o inferno.

E para ilustrar tal necessidade, a 2ª leitura, de São Paulo aos Coríntios (cf. 1Cor 7), apontará que “quem estiver casado, que não se separe; e quem estiver solteiro, que permaneça solteiro”, significativo de que o estado abraçado não influi na salvação da alma – se concorde aos desígnios da Providência –, desde que ao abraçar um ou outro, o façamos com integridade.

* * *

Que o exemplo relatado por São Marcos nos auxilie a compreender que a única forma de edificar, nesta terra, a “cidade de Deus”, tão almejada por Santo Agostinho e proposta sob forma de combate pelas “duas bandeiras” de Santo Inácio só é alcançável pela prática da virtude, iniciada pela adesão à Pessoa de Cristo; através da fidelidade à retidão natural gravada por Deus na consciência de cada pessoa e acentuada indelevelmente pela graça do Batismo.

Roguemos, pois, a Nossa Senhora que vele por todos os católicos, que em meio ao relativismo reinante em nossos dias, faça-nos compreender a necessidade imprescindível da total fidelidade a Deus, sempre mais forte do que a força do mal.

 

Por Afonso Costa


[1] Cf. CLÁ DIAS. João Scognamiglio. O Inédito sobre os Evangelhos. Città del Vaticano: L.E.V./São Paulo: Lumen Sapientiae, 2014, v.IV., p. 49.

[2] Cf. SÃO FRANCISCO DE SALES. Introducción a la vida devota. In: Obras selectas. Madrid: BAC, 1953, v. I, p. 235.

The post Ser de Cristo e não compactuar com o demônio appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

10 − oito =

- Advertisement -

Ultimas Notícias