20.2 C
São Paulo
segunda-feira, abril 18, 2022

Um convite para a humanidade nos dias de hoje

A santidade consiste em praticar todos os atos de nossa vida por amor a Deus e ao próximo.  

Redação (26/02/2022 12:30, Gaudium Press) Havia um homem de cultura e instrução em extremo limitadas, cuja adolescência transcorrera nos trabalhos de alfaiataria. Desde sua entrada para o convento da Ordem dos Franciscanos, os superiores lhe confiaram a confecção dos buréis de todos os religiosos, julgando ser esta a missão mais adequada para ele.

Ora, não tardou em evidenciar-se, aos olhos de toda a comunidade, quanto o novo religioso, tão desprovido de agudeza e de conhecimentos humanos, era exímio não só na técnica da costura, mas também, e sobretudo, na prática da virtude, pois fora ilustrado em ciência infinitamente superior por Aquele que ocultou os mistérios de seu Reino aos sábios e os revelou aos pequeninos (cf. Lc 10, 21).

Com efeito, sua vida conventual transcorreu em total dedicação, assumindo seus deveres com profunda seriedade, espírito sobrenatural, inalterável mansidão e generosidade.

Alfaiate esforçado e obediente, nunca recusava nenhum serviço; antes, procurava adivinhar as necessidades de seus irmãos de hábito e adiantar-se a seus desejos. Mal percebia que a túnica de algum religioso estava muito velha e gasta e logo seu amor o impelia a confeccionar uma nova, com todo o cuidado e esmero.

Tendo chegado ao término desta peregrinação terrena, encontrava-se ele em seu leito de dor prestes a dar o derradeiro suspiro, quando, após receber os Sacramentos, dirigiu-se aos frades que o acompanhavam nesse supremo momento, implorando:

– Por favor, tragam-me a chave do Céu!

Aflitos, aqueles filhos de São Francisco pensaram tratar-se de um delírio prévio à morte. Porém, receosos de não realizar a última vontade de um irmão tão querido, procuraram diversos objetos: um livro de piedade, uma relíquia do Santo de sua especial devoção, um crucifixo, as Sagradas Escrituras, sem lograr satisfazer a insistência do pobre agonizante:

– Por favor, tragam-me a chave do Céu!

Finalmente, um dos religiosos com quem mais havia convivido teve uma inspiração: correu à alfaiataria, apanhou uma agulha usadíssima e entregou-a ao moribundo. Este, agradecido e aliviado, tomou com mãos trêmulas o pequeno instrumento, inseparável companheiro durante os longos anos de vida religiosa, osculou-o, persignou-se com ele e rendeu sua alma a Deus, alegre e em paz.

Ele não se havia equivocado. De fato, tal objeto, do qual se utilizara durante a vida não só para costurar, como também para se santificar, na prática heroica da virtude da caridade, servia-lhe de chave, ao transpor os umbrais da morte, para poder penetrar no gozo da visão beatífica.

Verídica ou não, esta breve história nos lembra que a santidade consiste em praticar todos os atos de nossa vida, até os mais insignificantes, por amor a Deus e ao próximo. Ensinamento contido no Evangelho, pela pregação e exemplo do Divino Redentor, que supôs uma autêntica mudança nos padrões morais da humanidade.

O amor a Deus e ao próximo em todos os atos da vida

Quem nunca experimentou, ao menos uma vez na vida, a alegria sobrenatural que invade a alma quando nos debruçamos com dedicação e desinteresse sobre as necessidades de outrem, procurando fazer-lhe o bem?

É a posse desta alegria, por ora passageira, depois eterna, que Jesus nos propõe. Somos convidados a rejeitar o erro de conceber o amor como pura explosão de sentimentos, quando não como manifestação de egoísmo, movido pelo interesse pessoal; somos convidados a abraçar a santidade, procurando fazer tudo – desde varrer o chão ou limpar uma vidraça, até governar uma nação – por amor e com amor, como o frade alfaiate.

Em nossos dias tão conturbados, quando os homens, quiçá mais do que no mundo antigo, correm atrás das vantagens pessoais e se debatem numa sociedade dominada pelo orgulho, pelo ódio e pelo desprezo, ignorando as obrigações da caridade e deixando de lado a glória de Deus, as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo ressoam, mais uma vez, como um apelo à mudança de vida.

Não sejamos surdos a este divino convite. Depositemos nossa confiança em Maria Santíssima e abracemos o admirável exemplo do Homem-Deus, que não hesitou em entregar até a última gota de sangue e linfa por cada um de nós.

Se vivermos nessa impostação de espírito, será possível criar um ambiente de benquerença e respeito que estimule as pessoas à prática da virtude, pois, segundo as palavras do Apóstolo, “o amor é o vínculo da perfeição” (Col 3, 14). Só assim construiremos uma civilização mais cristificada e, ao completarmos o curso desta vida, abrir-se-ão para nós as portas do Céu.

Por Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

Texto extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n. 206, fevereiro 2019.

The post Um convite para a humanidade nos dias de hoje appeared first on Gaudium Press.

- Advertisement -
- Advertisement -

Ultimas Notícias