Homilias sobre a Natividade do Senhor – Primeira Homilia: Introdução ao Evangelho de São Mateus – São João Crisóstomo

— Mas, para não oprimirmos sua memória, vamos terminar por aqui esse discurso. As questões que nos propusemos a resolver bastarão para estimular seu ardor. Se as respostas lhes interessarem, dependerá de vocês conhecê-las, seguindo nossas conversações. Pois se eu vir em vocês um desejo verdadeiro de instrução, eu darei livre curso a satisfazê-los respondendo a essas questões.
Mas se eu encontrar em vocês indiferença e frieza, eu esconderei as dificuldades e as respostas que poderia dar, porque a lei de Deus me proíbe de “entregar as coisas santas aos cães e atirar pérolas aos porcos, para que eles não as pisoteiem”, ( Mt 7,6. )

Mas, dirão vocês, quem poderá querer pisotear tais pérolas? São aqueles que não as creem preciosas, e que não têm por elas a estima que elas merecem. E quem é tão infeliz, dirão vocês, a ponto de não as apreciar, de não as preferir a tudo? São os que dedicam a elas menos ardor do que mostram assistindo as comédias infames e os espetáculos diabólicos.
Pois vemos a muitos que passam assim, dias inteiros, que colocam em desordem os assuntos de suas famílias para satisfazer a esse tipo de paixão, que nada perdem daquilo que aí escutam e que conservam preciosamente em sua memória aquilo que pode por a perder e destruir suas almas. E quando essas mesmas pessoas estão na Igreja, onde o próprio Deus lhes fala, elas não conseguem permanecer aí um momento sem se tornarem impacientes. É por isso que nossas vidas, que deveriam ser totalmente celestes, nada têm em comum com o céu, e por isso somos cristãos apenas no nome e na aparência.

É por isso que Deus nos ameaça com o inferno, não para nos lançar nele, mas para nos preservar dele por meio dessas ameaças, conduzindo-nos para que fujamos desses costumes detestáveis. Porém, nós fazemos o contrário daquilo que ele deseja. Ouvimos que ele nos ameaça com o inferno, mas corremos todo o dia em direção aquilo que nos levará para lá, que nos trará, a danação. Deus nos ordena não somente escutá-lo, como também fazer o que ele nos diz; e não temos sequer paciência para ouvi-lo.
Como, então faríamos o que ele nos ordena, se não podemos sequer suportar o que ele nos fala, se nos desgostamos, se nos impacientamos, se não somos capazes de lhe dar sequer um quarto de hora de nosso tempo?

Quando, durante uma conversa, nossas palavras não obtêm a atenção das pessoas presentes, nós ficamos ofendidos como se fosse uma injúria, por vãs que sejam as coisas que estamos dizendo; e acreditamos que Deus não ficará ofendido, quando as grandes verdades que eles nos anuncia nos deixam indiferentes, quando nosso espírito vaga alhures, quando não nos dignamos sequer a nos aplicarmos a elas?
Sentimos prazer em escutar pessoas que viveram viajando, que sabem e reportam exatamente a distância, a situação, a grandeza, os lugares públicos e os portos das cidades que visitaram; e nós, que somos viajantes nessa vida, e que caminhamos para o céu, não nos damos ao trabalho de saber o quanto ainda estamos afastados de nosso objetivo. Se pensássemos isso, talvez nos apressássemos em chegar lá.

Mas se negligenciamos o caminho que conduz a Deus, estaremos infinitamente mais distantes de nosso objetivo do que está a terra do céu; mas se nos apressarmos em ir a essa cidade bem-aventurada, logo nos veremos às suas portas; pois seu distanciamento não provém da distância entre lugares, mas da desproporção de nossa conduta e de nossa vida.

Vocês cuidam de se tornar hábeis na história desse mundo, de conhecer seu passado e seu presente. Vocês se lembram dos reis sob cujas ordens portaram armas, dos oficiais que os comandaram, dos jogos públicos que aconteceram, dos gladiadores que neles combateram, dos que receberam os prêmios, e de cem outras coisas que não lhes dizem respeito, mas não dedicam o menor pensamento em considerar quem é o príncipe dessa cidade celeste, em quem são os que aí ocupam o primeiro, o segundo e o terceiro lugar, como cada qual combateu e por quais ações são eles assinalados.
Enfim, vocês não têm paciência para escutar o que lhes propõem as leis dessa cidade santa. Depois de tudo isso, como ousam vocês esperar usufruir um dia desses bens supremos, uma vez que vocês não se dignam nem a escutar agora aqueles que lhes falam?

https://imitasaodecristo.blogspot.com/2019/02/homilias-sobre-natividade-do-senhor.html

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here