Os católicos não são obrigados a seguir a agenda de esquerda ecologica do Papa Francisco, opondo-se aos combustíveis fósseis e favorecendo acordos sobre questões ambientais, disse o cardeal Gerhard Müller ao The Weekend Australian (27 de julho).

Müller está em Sydney para discursar na conferência da Confraria Australiana do Clero Católico. “Não somos um partido verde”, acrescentou,

“A política ambiental não tem nada a ver com fé e moral. Essas questões são para políticos e para as pessoas votarem no partido com o qual concordam”.

“Os bispos não são cientistas, especialistas em meio ambiente ou políticos.” Müller recomendou que os líderes da Igreja se concentrassem na religião. O

Papa deve combater o cisma

Müller explicou que Francisco e os bispos precisavam “fornecer a clareza, baseada na palavra de Deus”, para curar o “cisma” entre os “conservadores” e os “progressistas” da Igreja.

Falsos entendimentos da teologia estavam causando confusão doutrinária.

Mas, em vez disso, as prioridades de Francisco eram a justiça social e o alívio da pobreza, acrescentou.

Collegality Only on Paper

Müller disse que muitos cardeais que elegerão o sucessor de Francisco enfrentarão o problema de não se conhecerem, porque Francisco não convoca uma reunião geral de cardeais há quatro anos.

A falta de tais reuniões parece contradizer o estilo consultivo ostensivamente favorecido por Francisco, que [supostamente] quer uma “abordagem sinodal”.

O cardeal Mueller disse que Francis também ouviu “os chamados amigos, mas eles nem sempre eram amigos”.

 

Fonte: https://gloria.tv/article/gwABY7Pvs3Ce1dVGhfg3UXrLd

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here