298. A PROMESSA DA EUCARISTIA O CAPÍTULO 6 DE SÃO JOÃO.

Se foi sublime e extraordinário o poder de perdoar pecados e retê-los, que aos Apóstolos foi concedido, mais assombroso ainda foi o poder que Cristo lhes deu com estas simples palavras: Fazei isto em memória de mim (Lc 22, 19), porque nesse momento receberam os Apóstolos ordem, autorização e capacidade para fazer aquilo mesmo que se acabara de realizar na Última Ceia, isto é, a conversão do pão e do vinho no CORPO e no SANGUE de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Mas, para mostrar êste poder dos Apóstolos em tôda a sua grandeza e realidade, temos que provar, pelas palavras da Bíblia, A PRESENÇA REAL DE JESUS CRISTO NA EUCARISTIA, ou seja, sob as aparências do pão e do vinho. A tarefa não é difícil, pois a Bíblia mais uma vez é muito clara nesta matéria.

Êste dogma tão belo da nossa Santa Religião se prova:

1º — pelo capítulo 6º de São João, em que Jesus prometeu que daria seu próprio Corpo e Sangue para ser nosso alimento e bebida;

2º — pela narração da Última Ceia, a qual vem nos 3 primeiros Evangelistas e na primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios, narração esta em que vem afirmada em têrmos bem claros a presença real de Jesus Cristo no mistério eucarístico, confirmada ainda por outras palavras também muito claras de São Paulo na mesma Epístola.

O Capítulo 6º de São João, de que agora nos vamos ocupar, é dividido em quatro partes, tôdas elas relacionadas entre si:

A 1ª (versículos 1º a 25), nos mostra Jesus dando à multidão, e de uma forma prodigiosa, O ALIMENTO CORPORAL: é o milagre da multiplicação dos pães. Depois dêste milagre, a multidão, interesseira, quer fazê-Lo rei, porque vê nÊle uma fonte de prosperidade material, um homem ideal para governar o seu povo, uma vez que tem poderes para multiplicar o alimento. Mas Jesus se retira. E o povo passa a procurá-Lo ansiosamente.

Na 2ª parte (versículos 26 a 47), Jesus procura elevar a mentalidade daqueles homens que vão atrás ale em busca do alimento corporal, mas que devem buscar, acima de tudo, o ALIMENTO ESPIRITUAL, o pão que nutre a alma, e êste pão é Éle próprio, Jesus Cristo. Para Éle nos alimentar, é imprescindível a FÉ na sua palavra; e a fé é um dom de Deus.

Na 3ª parte (versículos 48 a 59), passa então abertamente a falar sôbre a Eucaristia, explicando de que modo Êle é o nosso pão, o nosso alimento. Éle é o nosso alimento, porque DÁ A COMER O SEU PRÓPRIO CORPO e A BEBER O SEU PRÓPRIO SANGUE. E isto é necessário para conservarmos a vida da graça, assim como o alimento material é necessário para a conservação da vida do corpo.

Na 4ª parte (versículos 60 a 72), se mostra a reação produzida entre os judeus por aquelas palavras tão estranhas e inesperadas de Jesus; terminando tudo isto com a bela profissão de fé feita por São Pedro, em seu nome e no dos outros Apóstolos.

299. A MULTIPLICAÇÃO DOS PÃES.

https://imitasaodecristo.blogspot.com/2019/03/lucionavarro-legitimainterpretacao-da_69.html

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here