Um jovem legislador venezuelano surpreendeu a sua namorada e o Papa Francisco ao pedir a mão da jovem em casamento no domingo, 27 de agosto, na Sala Clementina do Vaticano.

O pedido de casamento foi feito durante uma audiência privada do Santo Padre com os 80 delegados de vários países que participavam da reunião anual da International Catholic Legislators Network (ICLN), em Roma.

Em declarações ao National Catholic Register, Darío Ramírez disse que naquele dia, ele e a sua namorada Maryangel Espinal conversaram com o Papa sobre a situação da Venezuela e, em seguida, o jovem lhe mostrou as fotografias do grupo de teatro para adolescentes que apoia no Panamá, onde vive há três anos.

Depois, pediu ao Pontífice que lhe desse uma bênção especial e disse que a sua namorada “não tinha ideia” do que ia acontecer.

“Eu via que Maryangel estava pensando: ‘O que você vai fazer? Pedirá que nós façamos uma selfie?’ Ela ficou surpresa. Expliquei ao Santo Padre que a mulher que estava ao meu lado era a mulher da minha vida. Que eu a conheci em uma igreja, que Deus a colocou na minha vida e que eu queria pedir a sua mão em casamento. Então ajoelhei no chão e lhe perguntei”, contou.

Recordou que o Pontífice disse: “Uau, diante do Papa! Ela não está falando. Ele te pediu em casamento, o que você vai responder?”.

“Ela respondeu: ‘É claro que sim!’. E ele nos abençoou”, explicou Darío.

Rodríguez disse que todas as pessoas que estavam presentes os felicitaram e até alguns delegados estrangeiros disseram que queriam ir ao casamento.

O jovem venezuelano indicou que, para fazer o seu pedido de casamento, pediu a permissão do Cardeal Christoph Schönborn, Arcebispo de Viena e promotor da ICLN.

No exílio

Darío Ramírez fugiu há três anos da Venezuela para o Panamá devido à repressão do governo de Nicolás Maduro contra a oposição.

“Perdi tudo. Perdi o meu emprego, tive que deixar a minha casa, há três anos não posso voltar para a Venezuela. Sinto falta dos meus amigos, sinto falta da minha família”, expressou.

Este legislador já havia cumprimentado o Papa Francisco em uma audiência privada concedida ao ICLN em 2015, mas para poder viajar nesta ocasião teve que conseguir um passaporte de refugiado no Panamá, pois se renovasse o seu passaporte venezuelano poderia ser preso.

Conheceu a sua namorada, Maryangel Espinal, há 18 meses em uma igreja no Panamá e há seis meses pensou na possibilidade de casar-se com ela.

“Rezei para ter uma orientação e, quando decidi, pensei em pedir-lhe em casamento da melhor forma possível”, manifestou.

Os seus amigos pagaram a sua viagem a Roma e ele mesmo fez o anel de noivado, depois de frequentar aulas com um joalheiro.

Atualmente, Darío está realizando campanha a fim de que outros venezuelanos possam conseguir o passaporte de refugiado. “Muitas pessoas precisam disso. Eu realmente quero ajudá-los”.

“Estou muito feliz de poder ajudar a Deus como posso e também estou tentando ajudar a Venezuela estando do lado de fora. Um bom amigo me disse: ‘Quando você coloca seus talentos a serviço de Deus, o impossível pode acontecer’”, destacou.

“Nem sequer nos meus sonhos mais loucos pensei que isso aconteceria”, afirmou.

Fonte: ACIDIGITAL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui